Saturday, January 12, 2019

Melhores Restaurantes de Paris por um francês

Em 2014 perguntei a um amigo, quando morava em Bordeaux na França, quais bons restaurantes ir em Paris. Para minha surpresa ele criou uma lista ordenada por áreas administrativas conhecidas em frances por: arrondissement de 1 a 20.

Se o código de endereçamento postal (CEP) é 75001 o estabelecimento fica no  1º arrondissement e assim por diante.

Não traduzi a lista, mas você pode usar o Google Translate, basta copiar o texto abaixo e colar lá.

Voilà la liste de mes resto (par ordre croissant d'arrondissements):

Place Dauphine (75001: tous les restaus de la place sont et très bons, j'avais emmené lila pour mes 5ans). Un conseil, si tu passes sur l'île de la cité, vas voir cette place, tous les touristes passent à côté sans s'en rendre compte :p

Takara (14 Rue Molière, 75001 Paris): premier restau japonais de paris. Surement l'un, voir le meilleur. Pas mega-mega cher (dans les 60€ le menu le soir)

Sushi Kilala  (7 Rue des Moulins, 75001 Paris): vrai jap poisson cru pas trop cher (20€ le menu)

Michi (58 bis Rue Sainte-Anne,75002 Paris): pareil que celui d'avant. Dûr de départager, les 2 sont à égalité pour moi.

Hokkaido (14 Rue Chabanais, 75002 Paris): seul restau japonais tenu par une famille de chinois qui apparait dans les guides touristiques japonais. Le meilleur gyoza que j'ai mangé (c obligatoire d'en prendre). La formule à 11€50 te blindera pour de bon avec des gyozas + yakisoba (très bon) ou chahan (riz cantonais japonais) [le plat sont gargantuesque]

Momonoki (68 Passage Choiseul, 75002 Paris): les meilleurs katsu-curry & katsu-don de paris (formule à 12€). Attention: ouvert que le midi et c'est dans un passage couvert qui vaut le coup d'oeil

Kintaro (24 Rue Saint-Augustin,75002 Paris): restau traditionnel japonais le plus connu de paris (toutes les stars passent la bas. Des shumaï de fous (entrée) et plein de plats connu (ramen, yakisoba, etc...). A chaque fois que j'arrive à Paris, je file toujours là-bas quelque soit l'heure... :)

Caffé Concerto (24 Rue de Gramont, 75002 Paris): italien super bon. Attention: ne fais les pizzas que le midi, le soir c'est pates :p

Les Bougresses (6 Rue de Jarente, 75004 Paris): super restau français avec des plats un peu évolué

Breakfast In America (4 Rue Malher, 75004 Paris): burger les plus ressemblant aux USA d'après des potes. Deco qui va avec :p Y'en a un deuxième dans paris vers Saint-Germain. Attention: y'a de la file d'attente :p

Bodega 64 (64 Rue François Miron, 75004 Paris): basque pas mal du tout et pas cher. Très bonne sangria et patxaran

L'as Du Fallafel (32-34 Rue des Rosiers, 75004 Paris): les meilleurs Fallafel de Paris. Lenny Kravitz y va à chaque passage sur Paris

Schwartz's Deli (16 Rue des Ecouffes, 75004 Paris): burger délicieux

Les Fous d'en Face (3 Rue du Bourg Tibourg, 75004 Paris): resto français hypra bon. Un peu plus cher que d'hab mais la meilleure tarte aux fraises de ma vie [fais les plats et dessert suivant la saison]

Black Dog (26 Rue des Lombards, 75004 Paris): restau de viande argentin, l'entrée est au fond d'un bar de métalleux :D A l'époque, ils mettaient une plaque avec ton nom si tu finissais le plat de viande, peut-être maintenant aussi (1Kg je crois :p )

Inagiku (14 Rue de Pontoise, 75005 Paris) : restau japonais où ils font cuire devant toi sur une grande plaque. Super bon, je m'en souviens encore du demi-homard :D

Koko Hana (1 Bis Rue Jean Mermoz, 75008 Paris): restau jap teppan yaki (sur plaque) plutôt bon et pas cher du tout franchement.

Corso (10 Avenue Trudaine, 75009 Paris): très bon restau français-corse à inspiration

Chalet Savoyard (58 Rue de Charonne, 75011 Paris) : vraie raclette (pas les poelons à la con, la vrai demie meule de francton :p). Donc autant te dire que tu finis pas (même à 8 personnes dessus, on l'a à peine entamée :D

Le Petit Baiona (90 Rue de Charonne, 75011 Paris): le meilleur resto basque. Un peu plus cher mais pas trop qd meme

Unico (15 Rue Paul Bert, 75011 Paris) : jamais fait mais tous mes potes oui, super viande

Chardenoux (1 Rue Jules Vallès, 75011 Paris): un des resto de Cyril Lignac: apparement très très bon (j'ai pas gouté mais on m'a validé)

Mme Shawn (
23 rue Paul Bert, 
75011 Paris) : plusieurs dans paris (
http://mmeshawn.com/), restau thai super bon (attention: google maps ne connait pas celui que je t'ai mis car nouveau).
Un super plat: Le Neua Krata (larmes du tigre) : Filet de bœuf mariné au miel et aux herbes thaï servi sur une plaque chauffante. Tellement bon que le tigre pleure pour en avoir d'avantage !!! (dixit la carte et validé :p)

Amici Miei (44 Rue Saint-Sabin, 75011 Paris): meilleur italien de paris surement, dans une rue tout seul mais attention, y'a gavé de monde et d'attente si tu vas entre 2 repas

La Terrasse (1 Place Lachambeaudie, 75012 Paris): bar pmu sans prétention mais où la bouffe est super bonne, pas cher et tout est maison :)

Le Plomb du Cantal (3 Rue de la Gaité, 75014 Paris): la meilleure truffade (plat auvergnat) de paris: purée maison au fromage. Servi à l'ancienne à la louche et jusqu'à que tu en puisses plus :D

- Restaurant Istanbul (43 rue des Batignolles, 75017): meilleur kebab de paris pour moi et pas mal de monde

Le Coryllis (85 Rue des Martyrs, 75018 Paris): super restau dans le coin de montmartre, pas cher et vraiment excellent


Le camion qui fume: camion de burger hyper bon qui se déplace dans Paris ( http://lecamionquifume.com/ )

Sunday, November 4, 2018

Como não ser vítima da sociedade

É certo que ter um exemplo a seguir ajuda muito, no meu caso, meu tio oficial e comandante da Marinha Mercante, mas só o exemplo não vale de nada se você não criar as suas oportunidades.
Vou tentar resumir aqui o máximo que eu puder como eu venci na vida.

Eu nasci em Duque de Caxias e como minha avó, sempre diz: "Venho para o Grajaú com sete dias de nascido" e assim fui criado no Grajaú até meus vinte e muitos anos. Tive uma infância muito boa, nada me faltou, mas a situação mudou quando eu era adolescente e aí as coisas ficaram feias para nós.

Lembro que minha mãe ia ao mercado comprar uma mistura de sobras de queijo picados para nos dar um pouco de luxo no café da manhã e de um dia que só tinha para comer farinha e cebola e foi isso que fiz frito na frigideira. Lembro que minha casa, velha e sem manutenção, em um dia de chuva o teto da cozinha parecia que tínhamos uma cachoeira dentro de casa que caía água em cima do fogão.

Mas vamos lá, chega de drama e história triste, apesar das dificuldades tinha uma vida boa com minha mãe, família e amigos e tenho saudades da minha vida no Grajaú e quando criança passava férias em Belford Roxo.

Diante de tanta falta de dinheiro eu vi que tinha que trabalhar e comecei trabalhando no Grajaú Country Club, na lanchonete do clube. Fazia de tudo desde limpar o chão até carregar caixas de cerveja, ser caixa, fritar salgados e etc... Era um bico, trabalhava só aos finais de semana ao menos para ter R$ 20 reais ou algo para fazer coisas de adolescente, depois virei entregador de quentinhas em Botafogo, segurança, professor particular de informática mas sempre segui estudando.

Meu início de ensino secundário foi um pouco ruim, achava a escola chata e repeti duas vezes a quinta séria. Fiz 3 anos de quinta série e depois vi meus amigos saindo do colégio que fizeram minha primeira quinta série e decidir mudar e comecei a estudar.

Até que um dia uma pessoa foi à escola municipal que estudava, no Grajaú, para falar sobre o concurso para a Fundação Bradesco, naquela época já era um dos três melhores alunos da escola por notas simplesmente e fiz o concurso.

Passei no curso de Processamento de Dados, na repescagem, mas passei.

Esqueci de dizer que meu local preferido para estudar no secundário era a Biblioteca Pública Estadual do Rio de Janeiro.

No ensino médio, como não tinha compudator e internet em casa, todos os dias nos primeiros anos, chegava sempre as 4 da tarde para ficar no computador praticando e estudando.

As aulas só começavam as 18 eu acho. Mas chegava cedo para ficar no laboratório. Depois consegui fazer um curso básico de informática por fora na Secretaria de Trabalho de Botafogo e sempre segui estudando e depois entrei para a Falculdade da Cidade e posso dizer que a Fundação Brasdesco foi o divisor de águas da minha vida.

Esqueci de dizer que fomos despejados da casa no Grajaú e minha mãe e eu fomos morar em Belford Roxo. Sendo difícil e longe morar lá e trabalhar no Rio fiquei alguns meses morando na casa do meu tio na Barra até que eu encontrei um empresa na Barra para trabalhar como desenvolvedor em sistemas para supermercados. Minha formação técnica e os donos dessa empresa que sou amigo até hoje foram a principal alavanca para tudo que sou hoje profisisonalmente.

Fui funcionário do Banco do Brasil, concursado por 9 meses, mas na época o salário era tão baixo e vivia com minha mãe (avó) e irmã e tinha que pagar tanta conta que resolvi sair e voltar para a empresa que trabalhei por 4 anos na Barra e fazer meu curso superior. No Banco do Brasil não sobrava dinheiro era tudo para pagar contas. Na Barra trabalhei em uma empresa de consultoria fazendo sistemas para supermercados e lá me deram muitas oportunidades. Saí do Brasil em 2008 e em 2015, convidado para ser sócio da empresa na Barra, fiquei um ano no Brasil, mas deixei com muita tristesa tudo devido a violência.

Isso foi um resumo da minha trajetória. Não fui vítima da sociedade, vi muita coisa na vida um exemplo pode ajudar, mas senão tiver exemplo, crie oportunidades para você.

Saia de casa, estude sempre. Mesmo no Brasil que há dificuldades, sempre existe um lugar que você pode fazer um curso grátis; uma ONG ou escola pública de qualidade que se você tiver foco e nunca abandonar seus estudos você consegue. Eu nunca fui gênio, sempre fui e continuo sendo muito esforçado!

Se eu consegui todo mundo consegue. Basta querer de verdade. Trabalhei com informática além do Brasil, no Canadá e na França.

Hoje eu trabalho em um Instituto de Pesquisas Marítimas nos Países Baixos (Holanda) como desenvolvedor de sistemas para auxiliar os cientistas e pesquisadores a difundir suas pesquisas sobre os oceanos para a comunidade científica no mundo.

Falo: Inglês; Frânces; um poquito de Espanhol e estou aprendendo a língua neerlandesa (ou holandês).

Esforce-se e você vencerá. Até hoje eu lembro do coordenador do curso da Fundação Bradesco de TI (Tecnologia da Informação) o que ele disse: "Quem levar a sério os cursos que oferecemos aqui, chegará longe." E eu escutei o que ele disse e aqui estou.

Saturday, August 26, 2017

Preços na Europa e no mundo

Mesmo depois de morar quase 10 anos fora do Brasil, ainda me surpreendo de como as coisas aqui são mais acessíveis e me revolto mais com tudo no Brasil. Posso dar alguns exemplos.

Transporte público
Holanda - Você paga € 92,00 (euros) por mês e tem acesso a todo o sistema público de transporte de Amsterdam ilimitado
Holanda - € 30 euros você pode andar de trem em todo o país durante os finais de semana e feriado sem pagar nada a mais e tem 40% de desconto durante os dias úteis fora da hora do rush.
Canada - Você paga $ 83 (dólares canadenses) e tem acesso a todo o sistema público de transporte de Montreal ilimitado

Telefonia
Holanda - € 35 (euros) por mês para fazer ligação para celular e fixo e navegar na internet de forma ilimitada em toda Europa.
França - € 40 (euros) por mês para fazer ligação para celular e fixo e navegar na internet de forma ilimitada na Europa e ainda pode ligar para números fixos ilimitado para 120 países diferente.

Cultura
Holanda - € 60 você tem acesso a 400 museus no país sem pagar nada a mais por isso.
EUA - Em Washington (Capital dos EUA) todos os museus são gratuitos.

Saúde
França - Você paga € 24 euros por consulta médica e tem parte do valor reembolsado. Não existe plano de saúde privado.
Canada - Você paga anualmente do seu imposto de renda aproximadamente $ 600 (dolares canadenses) e tem acesso ao serviço de saúde de todo o país. Sem pagar nada a mais por isso.
Holanda - O plano de saúde fica entre € 90 e € 200 euros por mês e todos os gastos acima de € 300 euros por ano com saúde são cobertos pelo seu plano.
Em todos os países citados nessa categoria os preços de alugns remédios tem até 80% de desconto devido a cobertura dos respectivos planos de saúde.

Há também mais acesso a educação, por exemplo na França o custo anual de uma faculdade é de € 500 a € 800 euros.

Tirando o poder de comprar que é maior e o imposto sobre os produtos e serviços menores e os preços mais acessíveis para quem mora por aqui dando mais qualidade de vida para as classes mais baixas.

Sunday, April 23, 2017

Amsterdam - Transporte Público

Olá pessoal, depois de 1 semana de Holanda acredito que já posso dar algumas dicas de como se virar em Amsterdam pelo menos como se locomover aqui.

Visitantes:
Se você vem a passeio existe a possibilidade de comprar o cartão da cidade ("City Card") de Amsterdam. Há opções de 24; 48; 72 e 96 horas.
Ao entrar no primeiro bonde (tramway); ferry (para nós do Rio seria nossa barca) ou ônibus você está ativando o seu cartão e seu acesso irá terminar 24; 48; 72 ou 96 horas dependendo do seu cartão. O mesmo vale para os museus que você poderá visitar incluídos ao adquirir seu cartão. Você visitando um museu irá ativá-lo para visitas e sua validade para museus irá seguir o mesmo critério dependendo do tipo de cartão que comprou.

Esse cartão da cidade irá te dar acesso aos principais museus da cidade; um passeio pelos canais de Amsterdam; uso ilimitado do sistema público de transportes da cidade (GVB) e terá descontos em outras atividades de lazer.

Onde comprar?

No Aeroporto de Amsterdam e na estação Amsterdam Central procure pela loja "I amsterdam". Os valores dos cartões em 2017 variam de € 57 (cinquenta e sete euros) a € 87 (oitentata e sete euros).

Para quem vem morar:
Se você vem morar em Amsterdam depois de ter ido na Prefeitura e/ ou IND (Imigração) e receber seu BS Number (se for o caso) aconselho abrir uma conta corrente aqui pois muitas coisas pela internet só funcionam com cartão de débito daqui, tipo recarregar o passe de transporte público por exemplo. Eles não aceitam cartão de crédito international pelo site, porém você pode usar seu cartão international nas máquinas de recarga espalhadas nos supermercados; principais estações de trem por exemplo.

Não quer o cartão da cidade mas...
Você pode comprar o cartão OV-Chipkaart nos pontos de atendimento no Aeroporto; Amsterdam Central por exemplo. Esse cartão é a versão "anonima" não personalizada e que não aceita personalização ou assinatura mensal. Forma mais barata para se locomover na cidade. Ao adquirir o cartão você pagará € 7,50 e o mesmo é válido por 5 anos. Além desse valor você deverá incluir os créditos necessário para usar o sistema público de transportes do país (Mínimo de € 20 para usar a rede de trens que liga todo o país da empresa NS).

Pelo que percebi até o momento há a NS (http://www.ns.nl/en) que é a empresa de trens da Holanda ou a rede inter-municipal e a GVB (https://en.gvb.nl/) empresa do sistema público de transportes de Amsterdam. Com o cartão OV-Chipkaart você terá acesso a toda rede de transporte da Holanda.

Algo que você deve prestar atenção é o seguinte o valor mínimo que deve ter no cartão para andar de trem no país é de € 20 (vinte euros) e você deve autenticar seu cartão (passar nos leitores) quando embarcar e quando sair da estação ou do ônibus pois o valor a ser descontado do seu cartão é pela distância que irá fazer do seu trajeto.

Por exemplo ao pegar o trem da estação Utrech Lunetten até Amstel Amsterdan hoje eu paguei: € 7,20 (duas cidades) só ida.

Se você não passar seu cartão no leitor do ônibus ou tramway ao embarcar em Amsterdam pode pagar uma multa de € 37,50 (GVB) e no trem de € 50,00 (NS). Então não esqueça isso.

Nesse site explica em mais detalhes como se locomover em Amsterdam e na Holanda de trem usando o sistema público de transportes: http://www.amsterdamtips.com/tips/ov-chipkaart.php - em inglês.

Para se ter uma ideia uma viage de trem de Groningen (cidade ao norte da Holanda) até Maastricht (sul do país) que dura mais ou menos 4 horas e 44 minutos vai te custar € 26,30 (isso eu tirei do site da NS - lá você pode estimar as viagens: clique aqui para ver).

Para você que irá morar aqui tem o plano mensal de € 92 por mês da GVB (Amsterdam somente) aí você vai precisar de um endereço; conta de banco na Holanda e assinar no site da própria GVB.

Nesse link você poderá ver outros preços de assinatura para o sistema de trem da Holanda (http://www.ns.nl/en/season-tickets). Por exemplo por € 333,00 por mês você pode usar de forma ilimitada o sistema público de todo o país por 1 mês.

Links úteis:
http://www.iamsterdam.com/en/

Tuesday, April 4, 2017

Destino Holanda


Olá para todos. Mais uma vez mudei a imagem do título do blog. E meu próximo destino será a Holanda. Depois de alguns anos na França agora chegou a hora de ir para o país do queijo gouda; dos tamancos de madeira; do país onde a maconha é tolerada; onde a prostituição é legalizada; das bicletas; dos moinhos de vento; do sistema de gestão de água mais incrível que eu já vi; do país que está fechando as cadeias e importando presos pois sobram vagas no sistema carcerário; onde há tolerancia pelas diferenças; onde se fala muito bem o inglês; o país que 40% do seu território está abaixo do nível do mar (por isso tem o sistema de gerenciamento de águas) e o país das tulípas. Bom isso é só um pouco do que eu conheço da Holanda e espero compartilhar com vocês um pouco mais sobre minhas experiências lá. Eu e minha esposa ficaremos muito felizes em compartilhar com vocês nossa história nesse novo país.

Wednesday, March 29, 2017

Brasil o país que parou em 2008

Há 09 anos eu fui embora do Brasil e por acaso olhando vagas de trabalho de TI (Tecnologia da Informação), mais especificamente de programador ASP.NET no site: http://www.apinfo.com/apinfo/ fiquei perplexo ao ver os salários propostos. Eu só peguei duas vagas abaixo como exemplo.


Em 2008 eu ganhava R$ 5200,00 como PJ (Pessoa Jurídica). Para você que não sabe o que é PJ é uma pessoa que abre uma empresa para emitir nota fiscal ao invés de trabalhar com carteira assinada. Há vantagens e desvantagens de trabalhar como PJ, mas isso é tema para um outro post.

A questão é que os salários, pelo menos na área de informática estão estagnados e ao longo desses anos eu tenho visitado o Brasil e vi que os preços de tudo aumentaram absurdamente. O que me assustou muito foi ver que em 2015 vi um grande número de notas de R$ 100,00 circulando, pois R$ 100,00 não vale muito.

O Brasil parou em 2008 pelo menos para os profissionais de TI.